Archive for julho, 2009

Prefeitura de Curitiba testa papel feito com bagaço de cana

Untitled-1

Secretaria do Meio Ambiente está fazendo a troca, gradativamente. Qualidade do novo material é parecida com a do convencional.

A Prefeitura de Curitiba está testando o uso de papel feito com bagaço de cana-de-açúcar. Segundo a administração municipal, além de ecologicamente vantajoso, o papel é mais barato que o convencional.

 O papel ecológico começou a ser usado na Secretaria Municipal do Meio Ambiente há cerca de dois anos. A troca do material convencional, feito de celulose, está sendo feita gradativamente. Primeiro foram os blocos de anotações, seguidos de cartões de visita e formulários de processos administrativos. “À medida que o material velho acaba, os novos pedidos de compra são feitos para papel ecológico”, afirmou o superintende de Controle Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Mário Sérgio Rasera. 

O papel ecológico é comprado via pregão eletrônico. O preço é, em média, 25% menos que o convencional. “Para o setor público, a economia é importante, assim como valorizar alternativas tecnológicas que deixem de pressionar os recursos naturais. Se aparecer outros tipos de materiais como esse, eles serão avaliados também”, disse Rasera.

 A prefeitura afirma que a qualidade do papel ecológico é parecida com a do convencional. A nova tecnologia reaproveita o bagaço da cana que seria descartado como lixo agrícola, depois de ser moído.

Fonte: G1

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1220230-5598,00-PREFEITURA+DE+CURITIBA+TESTA+PAPEL+FEITO+COM+BAGACO+DE+CANA.html

Leave a comment »

Sacolas retornáveis – ECOBAGS

sacola retornavel

 

No mundo todo já está em curso um movimento para diminuir ou mesmo erradicar o uso de sacolas plásticas. Na Alemanha e na Irlanda é preciso pagar para usar sacolas plásticas disponibilizadas nos estabelecimentos. Os habitantes usam cestas, mochilas ou sacolas não descartáveis para carregar suas compras. A cidade de São Francisco, na Califórnia, aprovou uma lei que proíbe grandes supermercados de distribuir sacos plásticos derivados de petróleo.

sacola retornavel Lumasi

 

Outras cidades americanas, como Boston, Baltimore, Portland e Santa Mônica trabalham em projetos de lei semelhantes e cidades já estão se mobilizando também. Em Nova York, em julho deste ano, quatro estabelecimentos da rede de lojas de produtos orgânicos, Whole Foods, em Manhattan, colocaram à venda 20 mil sacolas ecológicas com a inscrição “Não sou uma sacola de plástico”. Centenas de pessoas fizeram filas para comprar a sacola, que se esgotou em poucos minutos. Na Irlanda, desde 1997 se paga imposto de nove pennies por cada sacola. Como resultado da medida, os irlandeses passaram a ir às compras com sacolas próprias e mochilas. Estratégias semelhantes foram  empregadas na África do Sul, Bangladesh, Austrália, Xangai e Taiwan. Em Macau foi promovida a campanha “Estime o nosso Planeta – use sacos ecológicos para ir às compras”, organizada pelo Conselho de Meio Ambiente com colaboração de entidades como supermercados e livrarias, que entregava aos cidadãos que fizessem compras nas lojas conveniadas sem uso de sacos plásticos cupons para sorteio de prêmios.  

O Japão está tentando reduzir também o uso de sacolas com uma lei aprovada pelo Parlamento em junho do ano passado, que permite ao governo advertir comerciantes que não adotarem medidas para reduzir, reutilizar e reciclar o plástico.   No Brasil, diversos Estados do país também já se mobilizam, seja através de projetos de lei ou de campanhas de sensibilização, para minimizar o uso de sacolas plásticas. O Governo Estadual do Paraná, por exemplo, promove parcerias com donos de redes de supermercados para  incentivar o  uso de sacolas biodegradáveis. Também tramitam na Assembléia Legislativa do Estado projetos de lei a respeito.     O Rio de Janeiro também estuda projeto de lei que proíbe a distribuição e torna obrigatória a substituição  gradual das sacolas plásticas por material biodegradável.  A Secretaria enviará à Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca) um pedido de multa contra cerca de 400 empresas que estão desrespeitando lei estadual de 2000 que obriga quem produz ou vende plástico a recomprar 25% do material e apoiar cooperativas de catadores que fazem coleta e reciclagem.   Na cidade de Belo Horizonte, um projeto de lei tramita na Câmara Municipal com a proposta de substituir o uso de sacos de lixo e sacolas plásticas  por sacolas retornáveis, de papel ou material biodegradável,  em empresas privadas com atuação na cidade. Em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, foi aprovado este mês pelos vereadores projeto de lei que obrigará os estabelecimentos comerciais a usarem embalagens biodegradáveis.    

Confira mais lugares, no Brasil e no Mundo, que já aderiram às sacolas: Lajeado, Rio Grande do Sul (Brasil); Maringá, Paraná (Brasil); Panambi, Rio Grande do Sul (Brasil); Viena, Áustria; Grã-Bretanha

Fonte: http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/meio_ambiente/naosoudeplastico/

Leave a comment »

Sementes de árvores como plantar

saquinhos de sementes árvores brasileiras

Quem anda numa floresta nativa, perceberá uma mistura, aparentemente caótica, de árvores maiores e menores. Os especialistas dividem-nas em três grandes grupos, que constituem o esquema de sucessão da mata nativa.

Um bom projeto de reflorestamento com árvores nativas deve misturar árvores dos três grupos, na proporção correta.


  • ÁRVORES PIONEIRAS: nascem primeiro; em geral crescem rápido, mas não vivem tanto tempo, nem ficam muito grandes. Fazem sombra, dando mais condiçõ:es para outras espécies nascerem e se desenvolverem melhor. Um exemplo é a embaúba, espécie preferida do bicho-preguiça.

  • ÁRVORES SECUNDÁRIAS: crescem mais lentamente, porém ficam maiores. Normalmente são as adotadas na arborização urbana. Uma delas é o ipê-roxo.

  • ÁRVORES CLIMAX: em geral, crescem apenas na sombra e levam mais tempo para se desenvolver. A madeira é bem dura e o porte é maior. São as chamadas árvores de madeira de lei. Uma delas é o jequitibá rosa.
  • Siga estes passos:

    Plantio em Itu durante um Arrastão Ecológico

    1. LOCAL – Escolha um adequado para a planta

    2. COVA – Faça-a com 60 centímetros de diâmetro e igual profundidade.

    3. PREPARO DA TERRA – Misture a terra que retirou ao composto orgânico (duas partes de terra, para uma de composto). Reserve.

    4. PREPARO DA MUDA – Rasgue o saquinho onde está a muda (caso contrário, a raiz não se desenvolverá), retirando a muda com o torrão de terra, sem quebrar o torrão. Dica: em vez de fazer um único corte no saquinho, para retirá-lo, faça vários, facilitando tirar o torrão sem quebrar.

    5. PREPARO DA COVA – Coloque metade da mistura de terra e composto de volta na cova.

    6. PLANTIO – agora, é só introduzir a muda com o torrão na cova e preencher o resto do buraco com a mesma mistura.

    7. ACABAMENTO – Para finalizar, pressione um pouco o chão do local plantado para deixar a muda firme. Dica importante: no local da cova, o terreno deve ficar uns dois centímetros abaixo do nível do solo. Isso facilita regas. A primeira rega, já poderá ocorrer logop após o plantio.

    8. CUIDADOS FINAIS – Uma boa idéia é cobrir o solo com folhas secas, o que ajudará a manter a umidade da terra. Especialmente se o plantio for em área urbana – numa calçada, praça ou jardim – também vale à pena colocar uma grade de proteção em torno da árvore, para que ninguém quebre a plantinha, desavisadamente.
    9. TUTOR: Para que a muda cresça reta, vale à pena amarrá-la a um tutor. Pode até ser um cabo de vassoura, fixado verticalmente no chão, logo ao lado da muda. Mas preste atenção à maneira de amarrar: O barbante deve formar um 8 deitado, com um dos “círculos” do 8 em torno do tronco da muda e outro, no tutor. Assim, proporciona-se firmeza e ao mesmo tempo um pouco de folga em torno do tronco da futura árvore. Nunca deixe que o barbante “estrangule” o tronco, quando a planta crescer.

    DICA PARA REGAR – quando não chove, deve se regar de uma a duas vezes ao dia, no início da manhã ou fim de tarde. No inverno, rega-se só uma vez ao dia.

    Fonte da Pesquisa: http://www.aipa.org.br 

     http://plantasonya.blogspot.com/2009/07/como-plantar-uma-arvore.html

    Leave a comment »